Total de visualizações de página

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Quem Quer Saber?

Sou um bloco de gelo no pólo sul.
Sou a lava de um adormecido vulcão.
Sou o infinito que é visto azul.
Sou a lua em sua total solidão.

Sou a casca da tua ferida viva.
Sou o curativo que nem sempre arde.
Sou a tua falta de qualquer alternativa.
Sou quem sempre chega mais tarde.

Sou a melodia que soa ao teu ouvido.
Sou o canto dos pássaros pela manhã.
Sou aquilo tudo quanto eu duvido.
Sou o cordeiro desprovido de sua lã.

Sou a bola perdida na linha de fundo.
Sou o juiz sentado no banco dos réus.
Sou a inútil torcida pelo fim do mundo.
Sou o pecador moribundo clamando aos céus.

Sou pescador sem caniço ou rede.
Sou o velho violão esquecido e sem cordas.
Sou a tua saliva e a tua própria sede.
Sou um oceano sem fim ou bordas.

Sou a fumaça de mais um cigarro.
Sou um jardim com gramas e flores.
Sou a estrada que não segue o teu carro.
Sou testemunha ocular da morte de amores.

Sou o mistério de toda qualquer teoria.
Sou o gênio da mais louca matemática.
Sou o maior objetivo de minha própria utopia.
Sou a melhor tradução da sua falta de prática.

Sou vazio por ser todo sentimento.
Sou o espelho escondido por que te desatina.
Sou o único responsável por aquilo que invento.
Sou a luz no fim do túnel que nunca termina.

21 comentários:

  1. Muito bacana seu blog, Paulo! Gostei bastante! Também tenho um blog de poesia. Se quiser dar uma passada, o endereço é www.subitosutil.blogspot.com

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. " Sou o espelho escondido por que te desatina. "

    Mais direto do que isso não há de ser.

    Muito bom, adorei, te seguindo aqui.

    Quando eu crescer escreverei como você ;)

    ResponderExcluir
  3. Evohé, poeta!

    Estou impressionado com sua poesia. É muito boa. Continue com o bom trabalho, a obra demanda.

    Beijabraço textual

    ResponderExcluir
  4. Sou a melodia que soa ao teu ouvido.
    Bem, será que já inventaram o aumentativo de fã?

    ResponderExcluir
  5. Quem Quer Saber?

    Te aceita como és: POETA!!!!

    Bjo.

    ResponderExcluir
  6. Um tanto de mim é clichê e essas palavras ecoam.
    Carinho que não cabe em 140 caracteres.
    Obrigada por fazer parte do meu cotidiano virtual!

    ResponderExcluir
  7. Lindo por aqui e eu já imaginava que seria. Bom ler quem escreve tão lindamente. = )

    ResponderExcluir
  8. emocionante dentro deste universo absolutamente modificado, adorei...

    ResponderExcluir
  9. Nossa... E eu ainda não havia estado aqui?

    Embasbacada!

    Faço eco a todos os comentários aqui já registrados... E acrescento:

    "Sou vazio por ser todo sentimento."

    E seu vazio assim em nós transborda... Que bom...

    É delicioso o ler...

    Amei!!!

    Beijocas-inebriadas ;)

    ResponderExcluir
  10. Linda poesia vindo de um poeta cheio de belas palavras.

    Um abraço pra ti Paulo.

    ResponderExcluir
  11. Em solidão leio a lua que em fases e abismos se descobre, se encontra onde se perde e morre onde renasce.

    Gostei dos seus escritos...

    ;-)

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pelo blog e por ter publicado!
    Considero extremamente difícil escrever poesia tecnicamente, sempre acontece de modo inspirado, é difícil.

    Tive a impressão que suas palavras são exatas e cortantes, mantendo a beleza.

    Quando der me visite: http://www.escritosbe.blogspot.com/

    Abçs!

    ResponderExcluir
  13. Sou a casca da tua ferida viva.
    Sou o curativo que nem sempre arde.
    adoreiiiii...

    ResponderExcluir
  14. O canto do cisne

    Sentado à beira de um rio
    Encontra-se um poeta.
    Furtivo em pensamentos
    Mudo, sem fala, sem dialética,
    Expurgado de sua realidade.

    Outrora ousado,
    Selvagem e valente;
    Agora patético
    Pusilânime e negligente.

    Em seu flanco esquerdo
    Eis que surge um cisne
    - Negro como a noite -
    Tão misterioso quanto
    O seu canto.

    Subitamente o poeta ressurge,
    Incomodado pela intuição.
    Como criança, agarra-se
    A um pedaço de papel
    Que o tortura com um látego de palavras.

    Lágrimas lhe caem do rosto,
    Rubras como a vergonha
    Vermelhas como o sangue.
    ...E ao longe, quase tocando
    O crepúsculo, ouve-se
    Um belo e derradeiro
    Canto de um cisne.

    (Agamenon Troyan)

    ResponderExcluir
  15. Teu blog é lindo!Parabéns!
    Vem conhecer o meu:

    leiakarine.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Adorei o poema, teu blog...já estou seguindo. Belas inspirações! Parabéns!
    Se quiser conhecer meu cantinho, ficarei muito feliz.
    http://ladysiri.blogspot.com

    Beijos

    ResponderExcluir