Total de visualizações de página

domingo, 30 de maio de 2010

Há braços, no abraço.

Há braços, que indicam direções.
Há braços, que suportam pesos.
Há braços, que se mantêm presos.
Há braços, que embalam canções.

Abraços, sempre aquecem emoções.
Abraços, sempre são surpresas.
Abraços, sempre são sutilezas.
Abraços, sempre têm suas razões.

Há braços, que se apertam feito nós.
Há braços, que se abrem em espanto.
Há braços, que são iguais a um manto.
Há braços, que, sendo dois, nunca estão sós.

Abraços, sempre lembram um cós.
Abraços, sempre poderão ser fraternos.
Abraços, sempre poderão ser eternos.
Abraços, sempre poderão substituir a voz.

Há braços, que se omitem.
Há braços, que se estendem.
Há braços, que nos ofendem.
Há braços, que nos permitem.

Abraços, sempre guardam lembranças.
Abraços, sempre marcam com seu carinho.
Abraços, sempre haverá pelo caminho.
Abraços, sempre renovarão as esperanças.

7 comentários:

  1. Há palavras como estas que nos abraçam.
    Gostei muito.

    ResponderExcluir
  2. Depois dessa leitura, só tenho uma coisa a dizer: Sinta-se abraçado! Eu me senti. Beijos, meus.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo, aconchegante e criativo!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Hum, muito bom!
    Te seguindo aqui também...

    ~ Vascomaramigo! :)

    ResponderExcluir
  5. Abraços que entrelaçam braços. Envolventes!!!

    Bj enSOLarado.

    ResponderExcluir
  6. Um braço , outro, mais um, abraço a quatro braços, afago de pulsação mãos..., um tanto de carinho, outra meida de tesão... abraço carinhoso, desejoso, abraço fraternal.Tantas formas, um só instante, que duram eternos anos . Terapia, aconchego, quanta afetuosidade. Neste poemabraço e nesse abraçante poeta

    (SilviaVasconcelos)

    ResponderExcluir


  7. A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

    *Fabiana Almeida Cruz (fomentadora cultural / Salvador-BA)

    O número de violência contra a mulher é bem maior do que os dados registrados e apresentados pelas delegacias das mulheres. Muitas vítimas não denunciam seus agressores. Algumas mulheres têm medo, outras se sentem envergonhadas. Muitas são de baixa renda e sem o conhecimento de que é possível combater esse crime.
    A justiça criou a Lei Maria da Penha (Lei de violência Doméstica e Familiar contra a Mulher), decretada pelo Presidente Lula, no dia 07 de Agosto de 2006.
    Mesmo com essa medida, por que alguns homens continuam cometendo esse crime?
    A resposta é que na verdade a nossa sociedade, mesmo com toda modernização, ainda é machista. Já faz parte do instinto do homem a posse, vendo a mulher como sua propriedade e inferior em todos os aspectos perante a sua posição.
    A maioria dos homens ainda continua sendo adestrada com a visão de superioridade, não admitindo a conquista das mulheres pelo direito de igualdade como consta na constituição: “De que todos são iguais perante a Lei”.
    Todas as crianças (meninos e meninas), desde a fase do seu desenvolvimento devem ser educadas com essa conscientização. As meninas de que o seu papel no mundo não é para ser submissa ao homem, servindo só para forno e fogão. E, principalmente com os meninos, quando os pais costumam dizer durante a educação, que homem não chora, não cuida dos afazeres domésticos e etc...
    A mulher violentada não pode deixar esse crime impune, deve denunciar seu agressor à justiça. Não podemos nos esquecer que existem outros tipos de violência contra a mulher sem ser a agressão física. Existem também as que não deixam marcas corporais como as ofensas verbais, humilhações e o abandono.
    A mulher deseja e precisa sentir-se amada e o mais importante: ser respeitada.
    -------------------------------------------------------
    Obs: Fabiana é criadora do ESPAÇO LIVRE BLOG COLETIVO http://blogcomfabi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir